Quem Somos:

Coordenação:

Prof. Dra. Cristiana Costa da Rocha (coordenadora do PPGSC)

E-mail: ppgsc@prop.uespi.br

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Sociedade e Cultura

O curso de Mestrado Interdisciplinar em Sociedade e Cultura, de natureza acadêmica, compreende abordagens plurais que enfatizem a diversidade étnica e cultural, com amplo temário que compreende as trajetórias de homens e mulheres, seus modos de pensar e agir. Logo, entende-se a teoria da cultura como uma teoria das relações sociais em todos os modos de vida (WILLIAMS, 2011). Nesse sentido, o alinhamento teórico-metodológico em perspectiva trans e interdisciplinar se apresenta como forma alternativa para o estudo e interpretação de temas urgentes da nossa sociedade, as populações rurais e urbanas, seus modos de vida e trabalho, educação e ensino, identidades e representação das populações negras e indígenas. Necessita-se de estudos que contemplem as problemáticas sociais e econômicas frente a dinamicidade da cultura, cujos desdobramentos levem à construção de políticas adequadas. O curso reúne docentes comprometidos com a internacionalização e interiorização do conhecimento, as linhas de pesquisa estabelecem diálogos interdisciplinares entre sociedade e cultura e as questões relativas aos processos identitários e de conflitos, bem como, aqueles relacionados às tensões com os poderes e controles sociais.

 

LINHAS DE PESQUISA:

TRABALHO, EDUCAÇÃO E MUNDO RURAL

A linha reúne temas relacionados ao Trabalho, Educação e Mundo Rural, tematizando esses campos sob uma perspectiva que possibilite a discussão das práticas sociais, políticas, econômicas e educacionais que foram se constituindo ao longo das trajetórias sociais. Nesse sentido, a vivência cotidiana dos diversos grupos é percebida como um lugar de contradições, marcada por conflitos que se dão em variados espaços, sejam eles institucionais, de poder e de trabalho. No Mundo Rural, interessa-lhes compreender as dinâmicas das famílias, as múltiplas maneiras de agir e pensar desses sujeitos, como compõem suas estratégias de sobrevivência e resistência, bem como compreender e os mecanismos materiais e simbólicos de reprodução da pobreza (BOURDIEU, 2007). Para tanto, consideramos o contexto de modernização forçada do campo e o desenvolvimento econômico tendencioso e excludente no século XX, que acelerou o processo de desemprego, desenraizamento, desagregação da família e da comunidade (MARTINS, 2000). Os professores pesquisadores reunidos nesta linha envidam esforços para construção  de um alinhamento teórico-metodológico comum em perspectiva de amplo temário: movimentos migratórios; educação; sociabilidades; os limites entre escravidão e trabalho livre; novas e velhas formas de exploração que coexistem no Mundo do Trabalho (HOBSBAWM, 2000); os sentidos do Mundo Rural (MARTINS, 2010); a luta política dos movimentos e organizações sindicais que instituem práticas culturais e sociais na vida cotidiana no espaço rural e urbano, a partir da abordagem multi e interdisciplinar.

SOCIEDADE E RELAÇÕES ETNICO-RACIAIS

A linha concentra estudos e debates sobre os movimentos sociais e culturais – negros e indígenas -, diversidade cultural e suas intersecções com as linguagens artísticas: música, literatura, teatro, cinema, dança e artes visuais, como fruto de interações entre diferentes culturas, que se organizam e estabelecem diálogos e confrontos. Interessa-lhes os processos constitutivos das identidades e relações étnicas e memórias de populações afro-brasileiras e indígenas, experiências, resistências, mobilizações e estratégias, bem como os diversos meios de expressão cultural e artística, que compõem a diversidade da sociedade brasileira. Os diálogos Brasil-África, global-regional serão incentivados, sobretudo, levando em consideração o estímulo a uma perspectiva sul-sul (SANTOS, 2009), que permita ao discente uma visão global dos estudos étnico-raciais. Nessa perspectiva, interessa-lhes as novas interpretações históricas sobre populações afro-brasileiras e indígenas, assim como o pensamento da intelectualidade africana e afro-brasileira, que cumprem papel fundamental para desconstrução de ideias preconceituosas e discriminatórias. Tal perspectiva se inscreve no reconhecimento da cultura através das experiências de sujeitos e grupos comunitários (THOMPSON, 1998). A preocupação com o público que procura a Linha Sociedade e Relações Étnico-Raciais, no sentido de ampliar o debate interdisciplinar, revela as articulações entre a produção do conhecimento acadêmico e o conhecimento escolar, no que diz respeito à formação do professor e à reflexão teórico-conceitual e metodológica sobre os saberes históricos e as relações étnico-raciais. Em linhas gerais, os pesquisadores reunidos nesta linha estabelecem entre si conexão multi-interdisciplinar na compreensão e interpretação do campo paradigmático, teórico e práticas científicas.